Terça-feira, 21 de Julho de 2009
Energia qual a verdade?

Luta pela energia

O que aconteceu com o invento que prometia produzir energia quase sem custo?


Nikola TeslaNos últimos meses de 1901, o renomado cientista e inventor croata Nikola Tesla (1857-1943) revelou ao mundo sua última e maior criação. A central elétrica de Wardenclyffe era uma complexa torre de madeira situada em Long Island, Nova York, que afirmava ele, seria capaz de transmitir energia e comunicações sem cabos. Para gerá-la não haveria necessidade de petróleo, carvão ou gás, seria silenciosa, não contaminante: sua fonte seria a própria Terra, ou seja, o vasto depósito de energia subatômica a nossa volta. Se viesse de qualquer pessoa, tais afirmações pareceriam delírios de um maluco, mas Tesla tinha credenciais científicas impecáveis, foi o inventor do sistema elétrico com corrente alternada e de muitas outras coisas, tornando-se muito famoso em seu tempo.

Se sua idéia se concretizasse seriam erradicados os perigos ao meio ambiente pelos produtos tóxicos, diminuiria a pobreza e os combustíveis fósseis virariam uma curiosidade histórica. Além disso os efeitos a curto prazo na economia mundial seriam catastróficos, com as companhias elétricas e petrolíferas perderiam seu valor, os trabalhadores desse setor perderiam o emprego, os mercados financeiros sofreriam um colapso e alguns países veriam sua economia afundar. Portanto, governos, financistas e multinacionais teriam muitos bons motivos para suprimir qualquer tecnologia revolucionária que ameace os atuais métodos de geração de energia. Acreditando nos rumores, as notícias sobre a central elétrica de Tesla foram suprimidas pelo banqueiro J.P.Morgan, que cortou todas as transações financeiras que o inventor tentou. O resultado final de sua atuação foi que a estrutura montada em Wardenclyffe foi derrubada e vendida como sucata.

Vista aérea do PentágonoHaveria então uma conspiração para evitar que essa idéia fosse adiante? Um grande número de invenções tiveram suas patentes recusadas entre elas um motor magnético de fusão fria ativado por laser, capaz de fazer um caminhão percorrer 170 mil quilômetros com um quilo de deutério; o motor Wankel complementado com um conversor de energia que amplifica correntes elétricas; e um gerador de partículas mais rápidas do que a luz, que produzia grande quantidade de energia gratuita. Todos esses inventos, obtiveram no início muita publicidade, atraindo a atenção de um certo número de grandes companhias, mas em pouco tempo os projetos parecem desvanecer-se.

Precisamos acreditar que os poderosos conspiram para impedir a marcha do progresso ou será que eses inventos não entraram em produção porque simplesmente não funcionam? Até os cientistas eminentes podem cometer erros e sempre existe uma possibilidade de fraude. Mas o fato é que apenas uma pequena parte das solicitações de patentes nessa área têm sido concedidas pelos orgãos competentes na Grã-Bretanha e nos Estados Unidos. Num único ano o Pentágono determinou ordens de sigilo a 774 pedidos de patente, 506 delas foram impostas a empresas privadas. No total, o governo americano tem ordens de "mordaça permanente" sobre milhares de invenções. Embora a maioria delas sejam aplicações militares, é certo que muitas têm potencial valor comercial. Por que não explorá-lo é para muitos uma questão crucial.

 

tirado do site "military power"



publicado por garbolemos às 14:09
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

.Amigo

. seguir no sapo

.Acompanhe pelo facebook clicando em curtir.
.Maio 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
12
13

15
16
19
21

23
24
25
26
27
28

29
30
31


.Ultimas...

. O blog mudou de endereço

. Desarmamento para quem? b...

. PM RJ toma sufoco para pr...

. O profeta ...

. Policiais condenados.

. Rio Gay

. Agora falar errado é cert...

. Brasil x França - perde...

. SEXO COM CULTURA...UMA LI...

. Só o que falta aqui no RI...

.arquivos por mês
.Atalho
.contador
.Autores
.tags

. todas as tags

.pesquisar neste blog
 
.online.
.enquete
Vocês acreditam na política das unidades de policia pacificadoras (UPP)
RSS